28 novembro 2006


Resgatar a memória de Tito Batini não é uma tarefa fácil. Tito perambulou em muitas áreas, da literatura às artes-plásticas, passou pela política nos idos de 40 e foi preso durante a ditadura de Vargas por suas idéias socialistas. Desde essa época engajou-se na literatura e publicou o seu primeiro romance escrito no cárcere "E agora, o que fazer?". Entretanto, Batini sabia muito bem o que fazer e publicou mais onze livros, entre romances sociais, literatura infantil, biografias e assuntos relacionados a ecologia e ao futebol. Atuou em cinema, como roteirista e ator, colaborou ainda com Pietro Maria Bardi no primeiro curso de cinema do MASP. Deixou tudo isso registrado em seu livro postumamente publicado pela UniCamp com o título "Memórias de um Socialista Congênito". Um personagem como Tito merece ser melhor conhecido. Então, vamos acompanhar essa trajetória semanalmente. Não percam.